Memorial do Convento

 

Esta obra foi apresentada por uma colega minha e suscitou me algum interesse e também a forma como ela falava tão bem da obra e decidi então ler.
Espero que gostem e vos suscite algum interesse 🙂
* José Saramago nasceu a 16 de novembro de 1922 e faleceu a 18 de junho de 2010.
Era um multifacetado, desde serralheiro ,a escritor, a jornalista entre tantas outras profissões.
A obra tem diversas personagens , onde existe duas mais importantes , Baltasar Mateus e Blimunda de Jesus. O espaço da obra , é somente em Mafra e no Terreiro do Paço em Lisboa.
Remota para o tempo do rei D.João V casado com D.Maria Ana Josefa que tentavam já há dois anos ter filhos e nada resultava , o que levou a que certo dia o rei fizesse uma promessa com o Frei António, de que se a rainha engravidasse ele ordenava a construção de um convento franciscano na vila de Mafra. Se isso se realizasse era assim considerado mais um milagre feito pelas ordens franciscanas.
Após a quaresma o tão esperado finalmente acontecia, a rainha estava grávida e assim se daria então as ordens para que se iniciasse a construção do convento. Regressava a Lisboa, um soldado de um exército que se chamava Baltasar Mateus, Sete-Sóis como era normalmente chamado. Havia perdido a mão esquerda numa batalha contra espanha.
Mais tarde ia acontecer um auto de fé, as ruas por Lisboa encontravam se ao rubro pois as pessoas adoravam assistir a tais acontecimentos. Pelo meio de toda aquela população encontrava-se Sebastiana Maria de Jesus, mãe de Blimunda, tinha visões. Vista como uma pessoa herética e estava assim condenada a 8 anos de degredo. Blimunda que se encontrava com o Padre Bartolomeu Lourenço a seu lado , tinha de manter o seu grande segredo de agora em diante , e do seu outro lado tinha um outro homem Baltasar .
Ela desejava ansiosamente descobrir quem era o desconhecido e de regresso a casa deixara a porta aberta para que o desconhecido pudesse entrar.
Assim apaixonaram-se tendo o casamento feito pelo Padre. Baltasar e Blimunda passaram a noite juntos , em que blimunda se entrega ao seu amor e apartir dai começam a viver para sempre juntos. Acontecera a coisa mais estranha no dia seguinte, Blimunda comer um bocado pão sem abrir os olhos e começou a intrigar imenso baltasar pois era algo que ele jamais teria visto na sua vida. O padre Bartolemeu ao começar a conviver muito mais com Baltasar , conta-lhe que tinha um sonho, o sonho de voar. Certo dia , leva-o à quinta onde ele tinha todas as suas invenções e mostra-lhe o desenho que havia feito da máquina que sonha construir e dera-lhe o nome de “Passarola”.
Nasceu então a filha dos reis, Maria Xavier Francisca Leonor Bárbara.
Baltasar vai insistir a Blimunda que lhe conte o motivo de ela comer pão sem acordar pela manhã. Ela implora-lhe para que lhe dê o pão e após comer o seu pão conta-lhe o seu segredo, que vê as pessoas por dentro apenas em jejum mas que a ele nunca o olhará por dentro. O padre ao saber dos poderes de Blimunda aplidou-os de Baltasar Sete-sóis (pois vê às claras) e de Blimunda Sete-luas (pois vê ás escuras), acaba por viajar para a Holanda para melhorar os seus estudos, e vai deixar a sua nova invenção no encargo de sete-sóis e sete-luas. Cada um tinha um a fazer, Baltasar encarregava-se da construção da passarola e Blimunda de recolher as “vontades” das pessoas para que pudesse fazer a máquina voar.
Certo dia vinha do Brasil uma nau, que vinha empestar a cidade de Lisboa e foi uma ótima oportunidade para que blimunda pudesse recolher as vontades de todas aquelas pessoas que se encontravam a morrer. E assim foi, dirigiu-se a lisboa para o fazer, porém após a epidemia ter passado fora ela quem ficara doente. Cada dia que passava e blimunda piorava a olhos vistos, só um dia o professor scarlatti conseguira tocar um pouco , conseguiu que esta acordasse e chorasse. Ao aperceber-se de que com a sua música poderia melhorar o estado de saúde de blimunda e assim foi todos os dias fazia o mesmo caminho para melhorar a sua saúde.
O Padre tinha imenso medo de ser acusado de bruxarias e ser judeu pelo Santo Ofício junto com os seus dois amigos, era necessário sairem dali o quanto antes. Após se encontrarem no ar, um sentimento de medo , euforia, felicidade , toma conta de ambos, como se acabassem por ser loucos. Infelizmente, a passarola acabou por cair e era assim impossível conseguir voltar a por a passarola a voar o que deixava o padre bastante impaciente e com receio que o Santo ofício conseguisse assim apanha-los.
Assim o padre acaba por desaparecer e sete-sóis e sete-luas haviam ficado sozinhos, teriam de saber guardar o segredo de que haviam voado pois também ninguém iria acreditar em tal coisa.
Mais tarde regressaram a Mafra e por lá se mantiveram, Baltasar fazia muitas vezes a longa caminhada até monte junto para verificar o estado em que se poderia encontrar a passarola. Blimunda exigiu ao seu marido que este a deixasse ir consigo usando de desculpa que iria conhecer o caminho para caso que fosse necessário.
Entretanto Baltasar vai desaparecer, e blimunda vai partir à sua procura porém não vai encontrar. A procura pelo seu amor estende-se durante 9 anos e nunca o vai encontrar..

 

Peço imensa desculpa por não ter publicado ontem, mas devido a situações pessoais não me foi permitido publicar..
Beijinhos
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s