Escrevinhar (Te ) | Texto da Liliana Alves Madureira

Olá a todos mais um texto para vocês e este é sobre o desafio 10 e a vencedora de hoje é diferente . Desde já quero também anunciar que o escrevinhar(te) vai chegar ao fim , porque infelizmente os participantes eram cada vez menos, e o exemplo disso é que só houve uma única participante, à querida Liliana Alves Madureira.

Espero que gostem do seu texto 🙂

A escrita não passa dum refúgio. Sim, um refúgio. Um refúgio para o Escritor. Um refúgio para o Leitor. Um refúgio para mim. Um refúgio para si.

 

Um Prefácio para o novo livro de José Rodrigues dos Santos

A escrita não passa dum refúgio. Sim, um refúgio. Um refúgio para o Escritor. Um refúgio para o Leitor. Um refúgio para mim. Um refúgio para si. Pode-se dizer, por outras palavras, que é um sinal de vida, tal como o título desta obra. Um sinal de vida que nos entra na alma durante os tempos de leitura.Vocês deve-se estar a questionar porquê que uma Blogger está a escrever o Prefácio deste grande Escritor. Encheram-me os bolsos, sempre dá para pagar umas contas. Eu e o meu Humor Negro. Além de Blogger também escrevo livros. Devido a esses factores, Rodrigues Almeida, um grande Amigo anónimo do Escritor, falou-lhe de mim, mostrou o meu Blog, mostrou o meu último livro, o Dois Cinco e o convite surgiu naturalmente.   Eu tenho livros de José Rodrigues dos Santos no meio dos meus duzentos livros não-lidos, mas nunca li nenhum, confesso. Embora, gosto da maneira como ele apresenta as coisas. Como não vejo televisão, de vez em quando, fascino-me num vídeo dele no Youtube.  Ele deixa algumas questões interessantes com o livro. Questões sem resposta ou será que ele tem essas respostas e quer revelar-vos?                                                                                                             Tudo tem para ser um livro riquíssimo e surpreendente. Quando ele fala obriga quase que automaticamente a refletirmos. É isso que espero deste livro. Uma grande magia, exactamente como o objecto que se aproxima da Terra. Da Terra que não é plana. Dizem que ninguém lê o Prefácio, nem os agradecimentos. Dizem que não importante. Espero que seja importante para quatro pessoas: o Escritor, o Rodrigues Almeida, o meu querido Pedro Miguel e você, grande excepção desta vida.                               Pedro Miguel, o meu sinal de vida. O meu objecto que se aproxima da Terra. O meu dilema. O meu Mundo. O meu Refúgio.

35055118_2011565132244401_8396065867112120320_n.jpg

Este foi o texto da Liliana Alves Madureira sobre o prefácio que podia fazer parte de um livro  do escritor, que acharam? Espero que tenham gostado e obrigada a todos por terem acompanhado as breves publicações sobre o Escrevinhar(Te).

Beijinhos

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s